Nova Linha Vegan Semeando sabor e colhendo o bem.
Nova Linha Vegan Semeando sabor e colhendo o bem.
Bom é comer bem Bom é comer bem

Como a tecnologia vem sendo usada a favor de uma alimentação saudável?

Alimentação Saudável

Como a tecnologia vem sendo usada a favor de uma alimentação saudável?

A tecnologia não está apenas revolucionando a maneira como nos comunicamos - está mudando a maneira como comemos. Veja o YouTube, por exemplo. Canais de receitas se tornaram um fenômeno mundial. Certos youtubers até mesmo fizeram carreira utilizando essa mania de comida em sua playlist.

De acordo com a pesquisa mais recente da Revista FATEC do Sebrae, de 2017, 26,3% dos entrevistados afirmaram ter comprado um produto após vê-lo anunciado por um youtuber, com a geração Z mais provável de ser influenciada. A publicação também aponta que 44,5% dos participantes tiveram curiosidade quanto a marca depois da publicação paga. 

Mas ainda assim, a questão permanece: como a tecnologia vem sendo realmente usada em favor de uma alimentação mais saudável? E como isso impactará o futuro?

Continue com a gente e bora descobrir….

Revolução da Indústria Alimentar para um consumidor mais exigente

A influência da Internet pode ser uma coisa boa de várias maneiras - é o ambiente perfeito para impulsionar o movimento gastronômico e permite que você mostre ao mundo sua receita especial (Youtube), o que está comendo e onde está comendo (Instagram).

Por outro lado, o uso dessa e de outras ferramentas super hi-techs estão nos tornando mais conscientes do que estamos levando para o estômago, o que nos ajuda a incutir melhores hábitos alimentares. Até porque, se a tecnologia facilitou nossas vidas de uma maneira que parece estar nos deixando mais preguiçosos, ela também vem intervindo para melhorar nossa saúde. 

Aplicativos e gadgets, por exemplo, podem nos fornecer dicas de nutrição ou informações vitais para uma refeição correta, apenas com o toque de um botão. Já chegamos ao ponto em que um dispositivo pode dizer se os alimentos são frescos, prejudiciais à saúde ou se foram expostos a organismos estranhos. E isso enquanto uma startup nigeriana desenvolvia uma cobertura orgânica para alimentos que prolonga a vida útil dos produtos, é biodegradável, não altera o sabor e ainda aumenta o valor nutricional do insumo.

A tecnologia também elevou a demanda e exigência por alimentos de qualidade a novos patamares. Ela mudou o conceito de comida como meio de sobrevivência e passou a refletir em hábitos, histórico, forma física e até mesmo na autoimagem das pessoas, que, agora, não somente esperam que o produto seja bom, como também deve ser inovador, agregador e confiável.

Para as marcas de alimentos, donos de hipermercados, produtores agrícolas e restaurantes, essa revolução influenciou no que eles vendem, como vendem e até mesmo no que vão investir. Há dez anos, desenvolver e produzir um hambúrguer vegano era um tiro no pé. Agora, com cerca de 30 milhões de vegetarianos no Brasil – muito por causa das redes sociais –, até companhias de processamento animal têm uma linha dedicada a este público. 

Portanto, embora esteja claro que a inovação tecnológica está mudando a forma como comemos, uma nova questão aparece: quais métodos a indústria está adotando para acompanhar essa transformação?

Inovando com modelos inteligentes 

Nossa mudança de hábito alimentar pode ser uma consequência inevitável dos dispositivos da atualidade, mas agora existem mais recursos disponíveis do que nunca. Um produtor rural consegue aumentar sua produtividade, reduzir custos e ofertar alimentos de maior qualidade e segurança utilizando softwares gratuitos no smartphone ou tablet

Já na indústria de transformação, em vez de desperdiçar horas de produção manual separando e limpando grãos, programas intuitivos e facilmente operáveis fazem o trabalho difícil por você. Esses sistemas permitem que você melhore o controle de produção, estoque, gerenciamento, redução de custos…

Mesmo os métodos de desenvolvimento e comercialização de um produto passaram por uma repaginada. As marcas desenvolvem um protótipo em laboratório pensando no processo produtivo, formulação, melhores tipos de embalagem, máquinas disponíveis, manutenção das características nutricionais, vida útil,  aceitação e – mais do que nunca – acompanha com os olhos bem abertos como está sendo a experiência do consumidor com o seu produto.

A cozinha que deixou de ser sci-fi para se tornar realidade

Não há dúvidas que uma das melhores formas de comer bem é cozinhar em casa. Mas, à medida que nossas vidas vão ficando mais agitadas, como você encontra tempo? 

Se a tecnologia redefiniu o conceito de comida, a cozinha, claro, teria também que ser reinventada. De certa forma, ela saiu dos filmes de ficção científica e agora é uma realidade. Aparelhos inovadores, como fogões inteligentes, geladeiras interativas, airfryers, panelas a vapor digital e robôs de limpeza automáticos, podem ajudar a diminuir o incômodo e o tempo necessário para o preparo de uma refeição.

Da mesma forma, fornos elétricos inteligentes já podem notificar via SMS quando sua comida é preparada com perfeição e até mesmo fornecer um stream de vídeo ao vivo para monitorar o alimento. Com o tempo e a popularização desses equipamentos, soluções tecnológicas como essas ajudarão a tornar mais gerenciável cozinhar em casa.

Certo, o que ganhamos com isso?

Definitivamente, ganham nosso corpo e nossa mente.  Com a praticidade da cozinha hi-tech, será questão de tempo até diminuirmos o consumo das comidas ultraprocessadas, com o gosto saboroso, mas que na verdade são prejudiciais ao organismo. Isso porque em excesso pode:

  • Causar problemas de aprendizagem e memória
  • Reduzir sua capacidade de controle do apetite.
  • Levar à depressão
  • Resultar em hipertensão ou diabetes
  • Obesidade 

Use a tecnologia para comer bem

Agora que você leu até aqui e descobriu como nutrição e tecnologia andam juntas, vamos usar esse conhecimento  para mudar nossos hábitos alimentares simplesmente operando o telefone, tablet, relógio ou até mesmo a cozinha? Bora lá!

Mais uma coisa, como tudo em exagero se torna negativo, é importante equilibrarmos o uso dessas ferramentas com atividades físicas e de lazer, para uma maior qualidade de vida.