Nova Linha Vegan Semeando sabor e colhendo o bem.
Nova Linha Vegan Semeando sabor e colhendo o bem.
Bom é comer bem Bom é comer bem

Você sabe o que é o selo Whole Grains Council?

Curiosidades

Você sabe o que é o selo Whole Grains Council?

Se você busca uma alimentação saudável para o seu dia a dia, certamente inclui grãos integrais na sua dieta. Porém, como atestar que a quantidade de grãos consumida diariamente é suficiente? Essa é apenas uma entre as muitas missões do Whole Grains Council. Essa entidade norte-americana sem fins lucrativos tem se dedicado há mais de 15 anos a promover os benefícios da alimentação saudável a partir do consumo de mais alimentos integrais. Porém, como atestar a qualidade dos produtos? Será que as porções deles são suficientes para suprir as nossas necessidades? Pensando em responder a essa e outras perguntas é que surgiu o selo Whole Grains Council, que estará estampado em alguns produtos da Caldo Bom no Brasil.

O que é o selo Whole Grains Council?

Existem diversos selos, fornecidos por entidades distintas, que têm como objetivo mostrar ao consumidor que um determinado produto possui um conjunto de características ou itens em sua composição, cuja quantidade ou qualidade seguem um conjunto de normas. No Brasil, a lista de selos e certificações dados a alimentos é extensa. Além das certificações que podem ser fornecidas no Brasil, os fabricantes podem submeter seus produtos a entidades de outros países, visando apresentar ao consumidor diferenciais que os seus alimentos oferecem. É o caso, por exemplo, do selo Whole Grains Council. O Whole Grains Council é um grupo de defesa dos consumidores, sem fins lucrativos, e que trabalha visando incentivar o consumo de cereais integrais como forma melhorar a saúde. Entre as muitas iniciativas do órgão, criado na cidade de San Diego, nos Estados Unidos, em 2002, estão dar diretrizes aos fabricantes para que apresentem produtos integrais de melhor qualidade e levar informação aos veículos de comunicação e aos consumidores sobre os benefícios desse tipo de alimentação. Um dos meios encontrados para isso foi a criação de um selo que ateste qual é a quantidade de grãos que um produto apresenta em sua composição. A proposta, portanto, é indicar que aquele item é capaz de suprir as necessidades básicas diárias de grãos que um ser humano necessita.

Como funciona o selo Whole Grains Council?

Cientistas e diretrizes governamentais indicam que um adulto deve comer pelo menos três porções de grãos integrais todos os dias. O selo, nas cores amarela e preta, é estampado atualmente nas caixas de produtos de mais de 60 países, contemplando uma lista com mais de 12 mil itens. Ele está disponível em três versões: o de 100%, o de 50% e o Básico. Em todos eles é indicado ainda quantos gramas de grãos integrais há por porção. A ideia é simples: três porções diárias de um produto com 100% de grãos integrais são suficientes para suprir as necessidades diárias; ou, então, seis porções diárias de um produto com o selo de 50% suprem a mesma necessidade. Ou seja, trata-se de uma forma simples e prática de comunicar aos consumidores qual é a quantidade daquele produto que é necessária para suprir as necessidades diárias de um adulto. Obviamente, nem todos os produtos precisam, necessariamente, ter esse selo – ou ainda ostentar as versões de 100% ou 50%. Ainda assim, aquelas que o tem, apresentam um diferencial aos olhos do consumidor.

Qualquer empresa pode usar esses selos?

Esse é outro aspecto importante a ser ressaltado. Para que uma companhia possa exibir esse selo em seus produtos ela precisa seguir um conjunto de normas bastante rígidas elaboradas pelo Whole Grains Council. Em linhas gerais, todos os tipos de itens estão aptos a receber o selo: pães, cereais, biscoitos, sopas, barras de cereal, pipoca, farinhas, entre outros. Contudo, todos devem conter um mínimo de 8 gramas de grãos integrais por porção. Após essa constatação, as empresas devem seguir um Guia de Uso do Selo de Grãos Integrais. Após tomarem ciência das regras e das características que os produtos devem ter para ostentar o selo, elas assinam um contrato com a entidade, no qual se comprometem a entregar alimentos que atendam aos requisitos estabelecidos nas normas técnicas. A Caldo Bom, por exemplo, gradativamente irá incluir o selo na embalagem de alguns dos seus produtos, numa prova de que se preocupa com qualidade dos alimentos que oferece e também com a compreensão dessas informações pelo consumidor. Consumir alimentos integrais traz uma série de benefícios para a saúde.

Quais são os benefícios de consumir produtos que tenham este selo?

Os alimentos integrais são aqueles grãos e cereais que não passam por nenhum tipo de processamento e, dessa forma, conservam elementos como películas ou cascas, mantendo as suas condições originais. Essas características fazem com que as propriedades nutricionais sejam conservadas em sua totalidade, evitando a perda de vitaminas, de sais minerais e de fibras. Tenha em mente que os benefícios de uma dieta rica em alimentos integrais são mais acentuados quando a dieta com um todo é saudável. O consumo de alimentos integrais, entre outras coisas, diminui os riscos de derrames cerebrais (AVC), de diabetes do tipo 2, de doenças cardíacas e de câncer colorretal. O próprio Whole Grains Council publicou um relatório no qual analisa 112 estudos relacionados ao tema, publicados entre 2012 e 2017. O conteúdo (em inglês) pode ser baixado gratuitamente neste link. Dessa forma, além dos benefícios nutricionais serem maiores, os alimentos integrais melhoram o processo de digestão, reduzem a absorção de açúcar e colesterol e dão uma sensação de saciedade por tempo maior. Alguma dúvida de que você deve adicionar alimentos integrais à sua vida? Uma forma muito prática e saborosa de consumir esses alimentos é incluindo os Mix Integrais da Caldo Bom nas suas refeições. Eles são feitos com uma mistura de arrozes, como arroz-integral, arroz-vermelho integral e arroz-selvagem integral, e outros cereais, como centeio, quinoa, linhaça e trigo, entre outros ingredientes. Fonte(s): Whole Grains Council, Ministério da Agricultura e INCA