Nova Linha Vegan Semeando sabor e colhendo o bem.
Nova Linha Vegan Semeando sabor e colhendo o bem.
Bom é comer bem Bom é comer bem

Gestão de Estoque e Controle por Cores

Mercado

Gestão de Estoque e Controle por Cores

Escolhas erradas, fardos excessivos e riscos de ruptura são desafios dramáticos na gestão de estoque. Cada um desses itens custa dinheiro ou amarra capital que poderia ser direcionado a outro lugar. Estruturar um bom processo de armazenamento, manter estreita relação com fornecedores e buscar estratégias e tecnologias que permitam maior eficiência são cruciais para evitar revés nas vendas.

Para gerir os estoques, proprietários de loja, gerentes ou promotores valem-se de diferentes ferramentas, como planilhas, controles manuais e aplicativos SaaS (Software as Service), que, embora importantes, não são suficientes para solucionar limitações de espaço e dificuldades no acesso aos produtos, por exemplo.

Neste conteúdo, abordaremos o papel e desafios de cada personagem responsável pelo gerenciamento de estoque inteligente e explicaremos como o sistema de controle por cores, criado pela Caldo Bom, pode ajudá-lo a otimizar o processo de supervisão e rastreamento de SKUs no seu negócio. Desejamos boa leitura!

Os 5 principais desafios na gestão de estoque

  1. Criando um ambiente de colaboração com a indústria
  2. Evitando a perda de estoque
  3. Equacionando os superestoques 
  4. Eliminando os riscos de ruptura
  5. Otimizando processos de controle

Como superar esses desafios

Você conhece a importância da gestão de estoque e o impacto que ela tem na sua operação. Ainda assim, você lida com os desafios acima constantemente. Antes de tudo, saiba que todas as lojas de varejo enfrentam os mesmos problemas. Mas, e se pudéssemos mostrar que existem soluções?

Parece um sonho bonito, não é? No entanto, não precisa ser apenas isso, e há maneiras de superar esses desafios de estoque! Para isso, comece:

Criando um ambiente de colaboração com a indústria

A ausência de comunicação e “troca de figurinhas” entre o varejo e a indústria é um matador de receitas. Essa rachadura invisível inviabiliza a estruturação de uma base regular de monitoramento do estoque, fazendo com que se reflita na ponta da gôndola.

É uma solução óbvia estreitar as relações entre proprietários, gerentes, promotores e fornecedores. O varejista não deseja absorver a perda advinda de um gerenciamento de estoque equivocado, o promotor precisa abastecer e evitar quebras e a indústria quer seus produtos expostos nas estantes. Na hipótese mais pessimista dessa colaboração , haverá um compartilhamento maior de dados em tempo real das condições e níveis de estoque e uma cobrança acentuada de precisão nos pedidos, abastecimento, organização e acompanhamento.

No ambiente de vendas omnichannel de hoje, você deve se valer de uma relação verdadeira com os demais atores da gestão de estoque para conseguir rastrear e atualizar continuamente os SKUs, sejam quais forem os canais de vendas. 

Evitando a perda de estoque

Não tem nada pior do perceber que havia estoque para atender ao shopper, mas que não saiu porque o produto ficou amontoado até seu vencimento. É enlouquecedor para todos os envolvidos. Houve dinheiro, tempo, mão-de-obra e esforço perdidos!

 

Pense desta forma: digamos que o varejista perca um pallet com 35 fardos de feijão que custam R$ 200,00 cada para comprar e enviar ao depósito. Imediatamente, há a perda de R$ 7.000,00. Adicione a isso a margem bruta que seria obtida com a venda desses itens. Neste exemplo, vamos supor que a margem bruta seja de 15%. Isso leva a R$ 1.230,00 em receita perdida. Além disso, obrigatoriamente haverá a troca do estoque –  que mesmo pautada por muita negociação, alguém ficará no prejuízo –, portanto, some outros R$ 7.000,00. Agora chegamos a R$ 8.230,00 em custos adquiridos apenas em um pallet. 

Um bom sistema de gerenciamento de estoque sabe quando os produtos estão acabando, e alerta. Mas, sozinho, não elimina problemas de armazenagem que escoam no vencimento. Os itens são acumulados uns por cima de outros e, muitas vezes, o promotor não está na loja diariamente para acompanhar o processo de “A a Z”. Já o varejista tem muitas questões a se preocupar para além da verificação de qual fardo deve sair primeiro.

O controle de fardos por cores, ideia desenvolvida pela Caldo Bom,  pode ajudar a reduzir a frequência de perdas e trocas na sua operação. Acompanhe:

Descobrindo o controle por cores

O sistema de cores tem como objetivo facilitar a visibilidade e identificação dos produtos dentro da sua sazonalidade, eventos de ativação e até estações do ano. Até seu desenvolvimento, era necessário rasgar o fardo (vamos continuar com o exemplo do feijão) para visualizar o vencimento do item. 

Com a nova etiqueta no fardo, as cores atuam como legendas gráficas, sendo associadas por mês de vencimento. Isso significa que a matiz na embalagem facilita a prática do FEFO (“primeiro a vencer, primeiro a sair”, em português). O controle por cores praticamente convida o promotor, ou executor, a não cometer erros.

Se ainda não entendeu, reveja a imagem e imagine: chega dezembro e no estoque você tem fardos com as cores que vencem em fevereiro e em julho. Essa é uma deixa para priorizar os fardos do mês com vencimento mais próximo, colocando os produtos na gôndola e otimizando a organização do espaço, do promotor e da logística.

Embora a solução de paleta pareça ser simples, você ficará agradavelmente surpreso com o quão prático ele é – especialmente porque não tem custos. Você pode aderir a esta e outras estratégias de gerenciamento aqui.

Equacionando os superestoques

Basicamente, todas as lojas de varejo tem algum item super ou subestocado. Quando o problema é o excesso, o primeiro passo é você entender que o abastecimento tem que cessar. Considerando que haja estoque para 60 dias de vendas, significa que existirá um trade-off por dois meses.

No caso acima, a solução é fazer com que o abastecimento entre em uma curva de normalidade. Para isso, o bom relacionamento entre os atores, abordado no início do artigo, pode viabilizar ações inteligentes de equalização do estoque. Aqui estão algumas facilidades a serem consideradas:

  • Negociações menos tensas visando acordos de troca
  • Rearranjo de margens
  • Investimentos em ativações
  • Ações de degustação
  • Uso das redes sociais dos parceiros
  • Promoções mais chamativas

Eliminando os riscos de ruptura

É um golpe duplo quando a situação é de falta de estoque. Vem um consumidor que quer comprar determinado item e a loja não tem para atendê-lo. Voltando ao campo das hipóteses, na melhor delas, o cliente frustrado encontrará outros itens para a compra. Na pior, ele pode ficar tentado a ir diretamente na concorrência e adquirir o produto que deveria estar bem visível e sempre disponível na prateleira. Se ele tiver uma experiência positiva, você perderá vendas futuras.

Quando o problema é o risco de ruptura, a primeira ação (óbvia) é o abastecimento imediato. Passado o alerta, a venda de cada produto deve ser monitorada, como parte de uma estratégia de sustentabilidade e controle das operações. Com base nesses dados, será possível prever melhor as necessidades de compra e garantir o estoque suficiente para determinado período.

Analise os maiores e menores shell-out. O SKU está vendendo mais rápido que o esperado? Talvez seja a hora de fazer um pedido especial. Está vendendo menos que o esperado? Então, você pode ter que criar promoções e condições diferenciadas de pagamento para girar o item.

Otimizando processos de controle

Contudo, esses esforços não adiantarão se os erros no rastreamento e seleção de pedidos persistirem. Como última e importante dica, sugerimos abraçar o uso de softwares e aplicativos para a sua gestão de suprimentos. Ferramentas como Neogrid e MecaNet vão ajudar a acompanhar em tempo real o histórico de vendas e ser reportado quando um produto está estragado e classificado para descarte ou devolução.

E, claro, esses aplicativos em si não vão tornar o seu gerenciamento mais preciso. Ajuda ter colaboradores motivados que realmente se preocupam em organizar o estoque corretamente. 

+ Você pode gostar: Os principais relatórios gerenciais para mercados

Então, o artigo foi útil? Por meio de nossa pesquisa, conversas e análises, buscamos identificar oportunidades, fornecer insights sobre como agir e aprender como o exemplo daqueles que avançaram, apesar do nosso cenário. Esperamos que essas perspectivas ajudem você a abraçar a mudança e concretizar uma nova visão para o seu estabelecimento.